• Paula Teixeira

Decifrando seus desejos de comer em 3 passos

Quais são seus desejos de comer?




"Eu preciso de um doce!"

"Hoje eu preciso de uma pizza maravilhosa!"

"Não quero saber, hoje vou pedir comida!"


Tenho quase certeza que você já passou por alguma situação parecida com essa. Estava feliz, triste, chateado(a) ou deprimido(a) e no meio desse turbilhão de sentimentos rotineiros você decidiu que era a oportunidade perfeita pra comer alguma coisa... Mesmo sem ter fome!

Essa é uma reação muito comum, visto que é normal sentir vontade de comer quando passamos por emoções fortes ou situações diferentes das rotineiras, mas na maioria das vezes, após concretizado esse desejo, é gerado um grande efeito de culpa. Logo, hoje quero falar diretamente com você que gostaria de mudar esse hábito!

Vou te ajudar a usar suas vontades a seu favor, ensinando pra vocês 3 passos para conter seus desejos e ansiedade.

E é claro, sempre reforço por aqui: nenhum alimento é proibido!

Continua comigo pra você controlar essa vontade excessiva de comer!


  1. Perceba sua fome física


Da próxima vez que sentir vontade de comer, perceba atentamente se é um alerta da sua fome física ou emocional. Seu organismo te dá sinais perceptíveis de fome física, logo se questione: Está sentindo sua barriga roncando? Está com dor de cabeça? Sua mente está distraída? Alguns desses sintomas recorrem da necessidade de alimentos no organismo.

Portanto, investigue internamente suas sensações! Busque sinais no seu estômago, na sua barriga e por todo o seu corpo de que seu organismo está sinalizando necessidade em comer.


2. Volte sua atenção para si mesmo(a)



A cada vez que perceber que a sua fome não é física, você tem a incrível chance de voltar a atenção para si e fazer as seguintes análises: Do que eu preciso agora? O que cuida de mim agora além da comida?

Para o Mindful Eating conseguimos comer melhor, e sem dieta, quando mergulhamos na compreensão das causas que nos levam a comer sem a fome física. Então comece a notar o que te leva a esse impulso alimentar.


3. Analise qual recurso você pode substituir pelo seu desejo por comida.


Entenda que consciência não muda comportamento. O que muda o comportamento, são as nossas atitudes hábeis e engajadas na substituição daquele desejo.

É importante que você dê um tempo a si mesmo para descobrir outras alternativas para substituir o seu comer emocional.

Tivemos um caso em um Workshop de uma paciente. Seu filho e marido foram viajar, e ela não poderia acompanhá-los devido ao trabalho. Na casa dela era um hábito pedirem pizza toda sexta-feira para um momento de celebração em família. Essa paciente não gostava de pizza, mas pelo momentos entre filho e marido, ela se permitia apreciar alguns pedaços. Na semana em que eles foram viajar, ela estava triste por não ter os acompanhado, e apesar de não sentir tanta afeição por pizza, sentiu vontade de fazer o pedido como uma lembrança direta dos momentos que presenciava toda sexta-feira. Quando ela analisou profundamente essa situação, ela percebeu que na verdade, gostaria mesmo era de ligar para o seu marido e seu filho para suprir a saudade que estava sentindo.

Um claro exemplo de comer emocional, que precisa ser identificado e aos poucos substituído por outras ações, como nesse caso!


Conclusão


Percebeu a distinção entre fome física e emocional? Entenda que nem sempre que sentir uma vontade incessante de comer, é puramente fome física. Essa fome emocional está ligada diretamente a má compreensão dos seus sentimentos, em que há uma busca pela satisfação imediata através da comida, e não uma análise interna sobre aquela emoção.

Identifique a sua fome, questione suas sensações e busque por uma substituição.