• Paula Teixeira

DIETAS RESTRITIVAS - Relação entre alimentos proibidos e sensação de descontrole alimentar




As dietas restritivas alteram nossa relação com a comida e nosso cérebro. Hoje, quero te mostrar quais são as repercussões da dieta restritiva no seu comportamento e a grande influência que ela tem em seus pensamentos.

Por que precisamos dessa informação? Por que precisamos mudar?


  1. Os Alimentos Proibidos

Na mentalidade da dieta, temos uma lista de alimentos que não devemos comer e outra listagem com alimentos bons. Mas afinal, qual é a repercussão da proibição dos alimentos?


Quando há a proibição de alimentos, causamos no nosso cérebro o que chamamos de "Viés cognitivo para os alimentos excluídos", gerando um estado de hipervigilância para nossa alimentação. Além disso, desenvolvemos outros dois comportamentos marcantes, denominados "Restrição de Pensamento" e "Aumento da recompensa ao comer os alimentos proibidos".


2. Viés cognitivo para os Alimentos Excluídos


O nosso cérebro desenvolve um estado de hipervigilância para aquilo que temos medo, logo não queremos fazer então precisamos monitorar.

Por exemplo, quando você proíbe uma criança de executar determinada atividade, como comer o doce que está na geladeira. Adivinha o que vai acontecer? Ela irá querer fazer exatamente o que você a proibiu.

Logo, na dieta não é diferente! Quando recebemos uma lista de alimentos que não podemos comer, ativamos uma hipervigilância para evitá-los, gerando um maior esforço cognitivo do nosso cérebro.


3. Restrição de Pensamento


Esse efeito é conhecido como "Efeito do urso branco". Justamente quando você pede ao outro para não pensar em "Urso Branco" ele irá imediatamente pensar em um urso branco. Esse é o mesmo raciocínio refletido na proibição dos alimentos, logo quando você gera uma listagem de alimentos proibidos, serão os primeiros a serem atraídos e mentalizados pela pessoa adepta a dieta, gerando um maior desejo de comer esse alimento.


4. Aumento da recompensa ao comer os Alimentos Proibidos


Existem estudos da neurociência mostrando que se nós temos contato com os alimentos proibidos, esse alimento ativa mais o centro de poder do nosso cérebro quando entramos em contato com ele. Logo, a liberação de dopamina (recompensa) é maior no instante em que o alimento é considerado fora de limite para nós.

Por exemplo, quando nos proibimos de comer um doce, a partir do momento em que o ingerimos, ele passa uma sensação ainda mais recompensadora ao nosso cérebro, dando a impressão de muito mais sabor!


Conclusão


Precisamos reforçar que não existem alimentos proibidos. Há alimentos que nos trazem maior energia, disposição, sentimento de bem-estar e vitalidade, portanto é de extrema importância aprendermos a nos conectar com as sensações geradas em nosso organismo, e nos motivarmos a comermos os alimentos que nos fazem bem enquanto indivíduos. Logo, a proibição não funciona!


Quer mais informações sobre o assunto? Abaixo, vídeo completo, com mais detalhes pra vocês!





4 visualizações0 comentário